Em vídeo, delator conta que destinou dinheiro a senadores do PMDB

O lobista Milton Lyra se tornou conhecido em Brasília por abrir portas no Senado. Ligado ao presidente do Congresso Renan Calheiros (PMDB-AL), o empresário transitava com facilidade entre integrantes do PMDB até entrar na mira da Operação Lava-Jato. Quando algum empresário tinha qualquer dificuldade para marcar um encontro com um parlamentar, bastava ligar para Lyra que ele entrava em ação – e resolvia o impasse. Em troca, o lobista pedia uma ajuda financeira para as campanhas de seus amigos políticos, segundo revela o delator Nelson José de Mello, ex-diretor da fabricante de produtos de saúde e bem-estar Hypermarcas. “Eu tenho entendimento que, ao ter pago o Milton, esse recurso pode ter chegado aos senadores para suas campanhas. E o caminho normal não deveria ser esse. Deveria ser uma doação formal”, conta Mello em seu depoimento prestado ao Ministério Público Federal, gravado em vídeo.

Conforme VEJA revelou em junho , o ex-diretor da Hypermarcas narrou aos investigadores como funcionava o esquema de repasses de dinheiro destinado a ajudar senadores do PMDB em suas campanhas eleitorais. Ao todo, Mello transferiu 26,35 milhões de reais para empresas ligadas e indicadas por Lyra. Os valores movimentados foram escamoteados por contratos fictícios de prestação de serviços e com notas fiscais. “Ele (Milton Lyra) dizia que tinha amigos que precisavam de ajuda financeira”, conta o delator. “Valia a pena”, diz.

Entre os beneficiados, estaria o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), que desponta como sucessor de Renan Calheiros na presidência do Congresso. “Num determinando momento em 2014, nessas conversas, ele (Milton Lyra) falou: ‘Olha, especificamente você vai ser procurado por uma pessoa que você conheceu, que está em campanha para governador do Ceará. De fato, fui procurado por um sobrinho do senador chamado Ricardo e ele me perguntou se era praxe do grupo ajudar…Aí, ele reforçou: ‘Olha, veja em que você pode ajudar’. Eu olhei a importância da posição do senado naquele momento no Senado e concordei”, disse Nelson Mello, que afirmar ter bancado despesas da campanha de Eunício no valor de 5 milhões de reais. O senador nega as acusações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *